26 de setembro

By:Jully Anne M.Fenner
Era sábado naquele ano , ainda o clima era gélido , mas a primavera estava muito linda .
Acordei cedo , pois sabia que tinha coisas para fazer em casa , mas antes de iniciar o dia , sempre é ótimo comer alguma coisa ”assumo que não faço nada , antes comer alguma coisa” – risos
Assim logo as oito e meia da manhã assim que terminei a primeira etapa , fui na casa da ex-patroa da mãe para pegar a carteira de trabalho.
Quando cheguei lá , notei que a casa estava fechada e o carro na garagem , então por mais que eu chama-se eles , não iriam me atender , pois ainda estavam dormindo
Voltei pra casa para terminar o que estava fazendo e dar tempo para voltar pra pegar a carteira . Peguei a bicicleta novamente e fui a casa depois de um tempo , mas agora eles não estavam em casa , já que os carros não estavam na garagem .
Assumo que fiquei indignada , brava e sai rumo a minha casa que era longe daquela parte do bairro.
Já que estava de cabeça quente e de bicicleta , resolvi prolongar o caminho para conseguir me acalmar , só que na metade do percurso algo estranho aconteceu.
O Pedal da bicicleta travou e eu não pude como sair onde estava , foi quando sinto um forte impacto , um impacto tão forte que voei quatro metros , cai de joelhos , rolei no asfalto e parei perto da calçada.
Assumo que quando parei de rolar a primeira coisa que fiz foi me sentar pra ver o que realmente tinha acontecido. Minha bicicleta estava mais no outro lado no chão com a roda torta , o vidro do para-brisa estilhaçado , tentei me levantar , mas acabei sentindo uma mão me deitando novamente enquanto dizia:- Não pode se levantar , fique deitada.
Eu estava assustada com que havia acontecido , pessoas chegavam de todos os cantos com seus olhos espantados me deixando ainda mais nervosa.
“Não é meu ano , não é meu ano “falava mais comigo mesma que para os populares conhecidos e fofoqueiros , o homem que havia me atropelado estava ao meu lado , tentando chamar socorro...Depois de muito tempo , assim que voltei do Hospital pra casa , fui me ver , já que fiquei o dia todo sem ver um espelho e eu estava muito preocupada para ver o meu rosto.
Para alguém que sempre se achava feia , acreditava nas ofensas dadas pelos colegas só por que falavam , eu pude notar que Eu de fato NÃO era feia , não era monstro , não era aquele dragão ...NÃO , eu era uma garota linda , mas eu nunca reparei e eu só notei quando eu vi o que realmente era um pessoa FEIA.
Hoje eu sou aquilo que eu vejo , uma pessoa que EU me amo e me amo demais, isso aconteceu exatamente a sete anos atras e se alguém achou exagero , primeiramente sinta , viva , depois comente, ok?!
Fato real

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de uma solteira

O Retrato

Noite Tempestuosa