O Natal

By:Jully Anne M.Fenner


As luzes enfeitadas nas casas era encantadores , as arvores da rua piscavam , as neves cobrindo o chão e as folhagens das arvores. Vizinhos caminhavam pela rua , era uma noite especial de natal , sentia-me diferente ...como se aquele clima fosse algo duradouro.
Crianças brincavam mantando os bonecos de neve , jogavam bolinhas de neve ou até mesmo faziam anjinhos. Olhei para o céu estrelado , as poucas estrelas visíveis brilhavam intensamente , a lua cheia dava um ar romântico e muito convidativo para um passeio.
Sai de casa , abotoei os últimos botões do casaco , a neve havia parado de cair , mas o frio ainda estava intenso. Sentei-me num tronco  de uma enorme e antiga arvore que havia no parte .
Desde que você foi embora , não encontrava motivos para me alegrar.
Encontrei homens que só queriam me usar , para saciar seus desejos sexuais , mas pra preencher o vazio de um amor não correspondido , eles não queriam.
 Tentei demonstrar pra você  , lutei e falei , mas o que eu havia recebido foi apenas um me perdoe , mas ainda sim vou embora.
 Chorei por tantos meses que aqui e agora olhando para todos com tanta...alegria , chegava a me dar inveja , estava tão distraída que não havia sentido alguém sentando ao meu lado.
-Quem pensa , não casa _ Ouvi sua vos 
Me virei para encara-lo com a mais pura cara de pavor e surpresa
-O que fazes aqui? _ Perguntei 
-Também senti sua falta_ falou ironicamente- vim visitar  os meus amigos .
-Oh , sim ...amigos _ falei descrente voltando minha atenção ao movimento do local-Lamento por dizer mas todos estão viajando.
-Pois é _ falou triste- Uma viajem desperdiçada 
“Ok...ele achou que desperdiçou tempo em vir aqui?” pensei enquanto tentava me controlar para não ser grossa.
-Devia ter me ligado , assim evitaria esse momento desgastante pra você_ Minha vós demonstrou um tanto quanto irritadiça 
-Eu não gravei o seu número_ respondeu  indiferente
Olhei pra você tão descrente , meu semblante estava sério demais para entrar naquele maldito clima de natal.
-Eu liguei diversas vezes pra você_ falei 
-Eu sei ...mas eu apenas não gravei_ respondeu novamente agora mexendo no celular
-Olha no histórico das chamadas _ falei numa tentativa de amenizar as coisas
-Desculpe , mas eu limpei o histórico assim que fui embora_ respondeu agora digitalizando algo no aparelho 
-ok...você apagou tudo que enviei pra você?_ Perguntei na esperança de que pelo menos as mensagens de feliz aniversário tenha ficado.
-Sim tudo..._ respondeu sem emoção 
“Muito insensível de sua parte “ gritei dentro de mim , enquanto eu me levantei 
-Boa volta pra casa , já que não tem nada que lhe prenda nestes dias de festividade_ desejei  me afastando 
-Espere_ ficou ‘de pé e me alcançou segurando minha mão me fazendo parar- Mas quem te disse que eu não tenho algo que me prenda aqui? Quem te disse que eu vim apenas pra visitar? 
Eu ia falar algo mas seus dedos delicadamente me calaram enquanto você continuava a falar.
-Eu não voltei apenas por eles...Eles são companhias agradáveis para um ótimo papo numa sexta-feira depois de um dia cansativo de trabalho. Mas eles não foram o motivo de eu querer voltar pra cá...eu voltei por você , sua cabeça quente.
-Não me chama assim _ repreendi – Você não se importou se eu sofre-se ou não...eu falei pra ti o quanto eu te amava e você não ligou...NÃO LIGOU , ai tu me volta depois de um ano como se nada tivesse acontecido...você é cara de pau.
-Eu queria fugir do que estava sentindo ...você bem sabe , eu sei que notou_ sem demora me envolveu em seus braços e me beijou .
O Tempo aparentemente parou para nós enquanto o beijo se intensificava os sonhos  se concretizaram de apenas estar em seus braços e sentir o meu tão aguardado beijo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de uma solteira

Noite Tempestuosa

O Retrato