Chalé Alpino

"O vinho encontra seu par ideal junto ao chocolate, e os dois, em um ambiente aconchegante, se fundem em um sabor que será imortal na memória de um casal "
:By:Jully Anne M.Fenner e um amigo
Nós dois conversávamos sobre a coincidência de termos nos conhecido ,em um aeroporto na Suíça. É como casualmente o destino fez com que estivéssemos junto naquele chalé alpino.

Você, uma renomada escritora e eu famoso compositor.

Um filme seria feito, e tentaríamos resolver em poucos dias às necessidades dos estúdios sempre urgentes em seus pedidos.

As linhas dos seus diálogos...casando com o desenvolvimento da trilha sonora.
Tínhamos apenas um fim-de-semana para fazê-lo. E era sexta-feira... Anoitecia.

Tínhamos jantado olhando o por do sol, e a conversa girava em torno do trabalho a ser feito, mas com muita pausa... um certo desconforto.

A mim, parecia um pouco estranho estar falando com uma pessoa tão charmosa sobre trabalho..
Esfriou... Resolvemos entrar..

O calor da lareira era convidativo, nos sentamos próximos ao calor do fogo... Do fogo que era o único a falar com seus estalos da madeira sendo queimados.

Cada um com seu cálice de vinho... algumas palavras soltas sobre o prazo a ser cumprido... A dificuldade da tarefa.

Mas o silêncio entre palavras conspirava... e o aconchego do ambiente reforçava...
Nós dois já nos conhecíamos e se admirávamos profissionalmente, mas era a primeira vez que estavamos juntos... E naquelas circunstâncias, foi quando disse que eu gostava muito do que você escrevia

Mas talvez eu gostasse um pouco demais do que deveria.
Você olhou para mim, com seus cabelos longos. O ruivo da sua cor realçado como se fosse por uma áurea do brilho do fogo.

O vinho, com sua cor vermelha e seu poder de transportar-nos para outras esferas espirituais, continuava a conspirar... até que você aproximou seu rosto e disse: "Uma estória só pode ser escrita tão rapidamente se for vivida".

Comecei a acariciar seu cabelo enquanto aquela imagem mágica, que era realçada pela luz da lareira, era ainda sobrepujada pelo tato macio dos seus fios ruivos.

Minha mão escorregou pelo seu rosto, com seus olhos claros em uma transparência que refletia o ambiente aconchegante em que estávamos.

As suas palavras ecoavam em minha mente..."Uma estória só pode ser escrita tão rapidamente se for vivida".

Abracei carinhosamente sua cabeça e aproximei -a de mim... nós dois fechamos os olhos... até que nossos lábios se encontraram.

“Que a estória seja vivida p ser contada...”
Abracei a fortemente, mas com delicadeza... seu corpo contra o meu... você suspirava... seu corpo se entrelaçava ao meu.
Eu a tocava por inteiro e você ofegava...
O tapete de pele cor branca era nosso mundo...
A luz amarela trêmula da lareira e o calor que irradiava, nosso único espectador...
Eu queria beija lá por inteiro. Tínhamos como coberta e roupa apenas o tapete branco...
E eu lentamente aproximei meus lábios do seu corpo e, no meu beijo mais íntimo possível, você se contorce de prazer... abraça minha cabeça e puxa contra seu corpo...
E a estória continua a ser vivida por toda noite... múltiplas êxtases... uma paixão continua...
Sim! A estória continuaria a ser vivida... mas não seria nunca contada.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de uma solteira

O Retrato

Noite Tempestuosa