Sobrevivência

By:Jully Anne M.Fenner

 Não lembro quando foi a ultima vez que comia uma comida descente , não me lembro quando foi a ultima vez que tive uma boa noite de sonos desde que um surto de um vírus desconhecido varreu a cidade fazendo as pessoas se transformarem em seres mortos vivos...Não , não eram zumbis , mas as pessoas não eram mas as mesmas , eram extremamente irritadiças  , suas colorações da pele era tão branca que dava para ver suas veias.Elas eram pessoas tão inúteis que ao tentar nos perseguir sua coordenação motora deixava a desejar por sorte nossa , mas eles tinham uma audição incrível por qualquer movimento e um grito alto e estridente.
 Havia um tipo de seres perigosos , audição aguçada , coordenação motora muito mais evoluído que nos dificulta na tentativa de sobreviver  , eles perseguem os sobreviventes na esperança de nos transformar num igual.
 Estávamos eu e meus amigos andando atentamente , fracos , abatidos e exaustos até que avistamos um mercadinho aberto , olhamos para os lados na esperança de não encontrar esses seres e corremos até lá.
 Pegamos alguns suprimentos alimentares , remédios e colocamos em nossas mochilas , até que ouvimos passos arrastados.
_Vamos rápidos !_ Alertou Felipe avistando uma das “criaturas limitadas” – Antes que ele chame os outros seres. 
 Saímos lentamente do mercado sempre escondidos de pequenos passos na esperança de não sermos descobertos , mas foi em vão. Ouvimos um som estridente 
 Ai vocês se perguntam ...como tudo isso se iniciou ? respondo , com uma enorme onde que devastou a cidade , quer dizer algumas partes da cidade ficou intacta , mas outra extremidade ficou destruída ... algumas pessoas morreram afogadas e o restante sobreviveram  , mas adquiriram esse vírus desconhecido que acabou os transformando nesses seres estranhos. 
 Corremos até avistamos um grande lago onde um desses seres estava nadando ...sim , para o meu espanto também e reconheci de cara quem era ...Era Cristiane , namorada de William um dos meus amigos que estavam comigo. Ele a avistou também , sua tristeza estampado em seu rosto , lágrimas facilmente caindo em seus olhos na frustração de ter perdida a mulher de sua vida , até que esta ser que era Cristiana nos avistou e começou a gritar o mesmo som.
-Put’...Vaaaamos  rápido ! _empurrava Claudio todos adentrando pra uma espécie de um pântano . Corremos até encontrar uma casa abandonada , olhamos pela janela para ver se não havia ninguém e por sorte estava vazia .
 Adentramos a casa , trancamos a porta  , fechamos as cortinas que estava aberta para não sermos vistos , acendemos uma vela para iluminar uma velha sala e nos sentamos num sofá intacto
-Aqui será um esconderijo  improvisado _ comentou Felipe mais aliviado
-O que faremos até lá?_Perguntou Laila cansada encostando sua cabeça no ombro de Felipe e fechando os olhos 
-Não sei _respondi sincera me sentando também –Precisamos ir até a outra parte da cidade que não foi atingida e ver se há mais sobreviventes _ falei fechando os olhos 
-Vamos descansar e depois iremos pensar numa estratégia pra irmos até o outro lado _falou Clara mais otimista e assim todos concordaram e caímos rapidamente no sono.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desabafo de uma solteira

O Retrato

Noite Tempestuosa